Porquinho-da-Índia virou sabor de sorvete no Equador

Porquinho-da-Índia virou sabor de sorvete no Equador
Você comeria ele? …”Tadinho”!!!

Trata-se de um sabor de sorvete de verdade: porquinho da índia.

Qualquer um que pense em porquinhos-da-Índia como animais de estimação – bola fofas de pelo – pode achar essa ideia difícil de digerir.

Os roedores são um prato quente tradicional em alguns países da América Latina, incluindo Colômbia, Peru e Bolívia. No Equador, as pessoas normalmente cozinham porquinhos da Índia com sal e os servem com batatas e molho de amendoim. Mas uma empresária está levando as coisas para outro nível gastronômico, servindo porquinhos-da-índia como sobremesa fria.

Algumas pessoas gostam de sorvete feito com “cuy”, como o animal é conhecido localmente.

“Eu suspeitava, mas estava gostoso”, disse Marlene Franco, aposentada de 78 anos que experimentou o sorvete em um estande ao lado de uma estrada que liga a capital equatoriana de Quito à cidade de Sangolqui.

Maria del Carmen Pilapana orna uma bola de sorvete com sabor ‘porquinho-da-Índia” com amendoim, em sua barraca nos arredores de Quito, Equador. Fora do trabalho, com três filhos, Pilapana começou a frequentar cursos de treinamento gratuitos para empreendedores. Ela foi desafiada a fazer algo inovador e, após seis meses de testes, começou a vender sorvetes com sabor incomum. (Foto AP / Dolores Ochoa)

A dona do estande é María del Carmen Pilapaña, cuja oferta excêntrica inspira descrença e risos entre os clientes iniciantes.

A operação de Pilapaña é pequena. Consiste em duas mesas em uma área aberta alinhada com clínicas de dentistas e outras empresas. Mesmo assim, a demanda está crescendo. Toda semana, a empresária prepara 150 porções (aprox. US$ 1 por um cone) de sorvete de porquinho-da-Índia.

Ela também faz 40 porções de sorvete aromatizado com besouros, também tradicionalmente consumidos como um lanche salgado, e uma quantidade menor de sorvete de cogumelos.

Pilapaña, que reconhece que tinha suas próprias dúvidas sobre se o investimento seria recompensado, disse:

Minha família e meu marido pensaram que eu era louca. Eles não achavam que alguém iria gostar desses sorvetes, mas agora são o nosso principal produto.

Foi por um triz. Fora do trabalho, carregando três filhos, Pilapaña começou a frequentar cursos de treinamento gratuitos para empreendedores. Ela foi desafiada a fazer algo inovador e, após seis meses de testes, começou a vender sua linha de sorvetes no início de setembro.

Pilapaña consegue concentrar o sabor do porquinho-da-Índia após cozinhar e preparar um patê da carne do animal, adicionar leite ou creme e refrigerar a mistura até obter a consistência do sorvete. O sabor é semelhante ao frango.

Os sorvetes de besouros e cogumelos incluem frutas como abacaxi e maracujá. Sorvete de besouro tem um leve aroma de terra molhada.

Em parte da América Latina, formigas, cigarras e vermes são usados ​​para fazer algumas sobremesas, geralmente com infusão de chocolate. Mas a incorporação de tais ingredientes – inclusive o porquinho-da-Índia – em sorvetes é incomum.

Carolina Páez, diretora da escola de antropologia da Universidade Católica de Quito, não se surpreende.

Ela disse:

O porquinho-da-Índia é um alimento antigo muito importante nas sociedades indígenas andinas, principalmente por seu alto teor de proteínas, portanto, não há razão para se surpreender com o fato dos equatorianos comerem porquinhos-da-Índia, mesmo em sorvetes.

Para Pilapaña, o sorvete da porquinho-da-Índia é apenas o começo. Ela tem novos sabores em mente: caranguejo, frango e porco.

Ela disse:

Vendo como minha empresa está se desenvolvendo, tenho certeza de que vou me sair bem.

(Fonte)

Está bem… está bem, trata-se de algo cultural. Mas você teria coragem de comer um porquinho-da-Índia?

Mas talvez existam coisas mais absurdas para se comer, como sugere um cientista

1
Deixe um comentário

Deixe uma resposta

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Maria Maria
Visitante
Maria Maria

Aí é sacanagem! Quem tem coragem de matar um bichinho desse. Só de pensar no gritinho que ela daria ao ser morto eu fico muito triste. 🙁