Neurocientista acredita que sonhos preveem o futuro

Neurocientista acredita que sonhos preveem o futuro

Uma pesquisadora britânica acredita que o processamento de informações realizadas pelo cérebro durante o sono produz imagens sobre o futuro.

A professora da Universidade de Manchester, Reino Unido, Sue Llewellyn propõe deixar o misticismo e analisar os sonhos de um ponto de vista mais racional.

A pesquisadora, no entanto, chega a conclusões bastante raras no mundo científico e diz que o futuro pode ser previsto com sonhos.

A cientista pergunta porque o cérebro constrói em nossos sonhos situações muito específicas com sucessão de eventos e participantes específicos.

Muitas vezes, os sonhos parecem absurdos e não conseguimos imaginar as situações que eles nos mostram.

Talvez a previsão de sonho mais famosa de todas esteja na Bíblia. O faraó sonha estar nas margens do Nilo e ver sete vacas gordas e bonitas, seguidas por sete vacas muito magras e ossudas que comem as vacas gordas.

Preocupado com sua visão, o soberano procura alguém que possa interpretar seu sonho, pois na verdade poderia ser uma mensagem dos deuses. Finalmente, o único no reino que consegue interpretar o sonho com precisão é um jovem hebreu chamado José.

O significado: sete anos de abundância seguidos por sete anos de fome. Essa simples interpretação do sonho permitiu ao faraó antecipar os fatos e fazer grandes reservas durante os anos de abundância para aliviar o que se seguiria.

Mas se Faraó podia prever o futuro em seus sonhos, por que ele não sonhava diretamente com sete anos de abundância e sete de fome, em vez de imaginar vacas canibais?

Llewellyn escreve:

Tudo tem a ver com a maneira como o cérebro funciona. Ele não recebe informações do mundo exterior passivamente, mas interpreta-as ativamente e procura padrões nele. Se fosse aleatório, não haveria padrões e a previsão seria impossível.

A fase do sono rápido (movimento rápido dos olhos, durante a qual os sonhos ocorrem) pode esclarecer o assunto. Precisamente nesse período, o cérebro é capaz de traçar pequenos paralelos óbvios entre diferentes fatos da vida. Llewellyn chegou a essa conclusão após anos de estudos.

Em 1999, cientistas de Harvard, EUA descobriram que os resultados dos participantes de um teste de associações distantes após a fase rápida do sono foram melhores do que os das outras pessoas submetidas ao teste.

Os cientista explicaram:

A percepção durante a fase rápida do sono é qualitativamente diferenciada da percepção na fase lenta do sono. Precisamente essas diferenças explicam o caráter muito associativo e surpreendente dos sonhos que temos na fase rápida.

Segundo Llewellyn, a maioria das experiências é armazenada no subconsciente e não nos damos conta de 98% das atividades cerebrais.

Según afirma Llewellyn, la mayor parte de las experiencias se guarda en el subconsciente y no nos damos cuenta de un 98% de las actividades cerebrales.

Esses padrões aparecem nas imagens de nossos sonhos, ou seja, nossos sonhos indicam uma ideia de como diferentes eventos no futuro podem evoluir a partir da análise de experiências passadas.

(Fonte)

Pena que muitas vezes o sono pode não ser uma experiência tão agradável assim…

Deixe sua opinião na área de comentários mais abaixo e não esqueça e visitar nossa página principal clicando aqui. Muitas outras coisas interessantes – e muitas vezes estranhas e absurdas – estão ocorrendo neste planeta…

Deixe uma resposta