Joseph Pujol – O peidador profissional que entretinha até a realeza

Compartilhe a notícia com o planeta!

A história mostra que não há limites no mundo do entretenimento. Já que as pessoas parecem interessadas em várias coisas, é possível ganhar dinheiro com quase tudo, até peidando.

Joseph Pujol - O peidador profissional que entretinha até a realeza
Esquerda: Moulin Rouge, Paris, França. Crédito: Domínio Público – Direita: Joseph Pujol. Crédito: Domínio Público

A maioria pensaria uma ou duas vezes antes de peidar na companhia de familiares, amigos ou estranhos, mas Joseph Pujol não permitiu que suas necessidades e talentos naturais fossem causa de vergonha.

As pessoas adoravam vê-lo no palco e Pujol se tornou o artista mais bem pago na França do século XIX. Tudo isso soa estranho e incomum. Por que as pessoas pagariam apenas para ver alguém peidar? Na verdade, não é tão ruim quanto parece, e aqueles que o observavam, não paravam de rir.

Joseph Pujol (1857–1945), que recebeu o nome de Le Petomane, algo como “O Peidista”, tinha uma capacidade notável para os músculos abdominais, o que lhe permitiu peidar à vontade.

Pujol na verdade não passou gás intestinal como parte de sua performance no palco. Em vez disso, ele possuía a capacidade de ‘inspirar’ ou mover o ar para o reto e controlar a liberação desse ar com os músculos do esfíncter anal. Ele descobriu sua habilidade incomum ainda criança, quando, em uma viagem ao litoral, percebeu que podia sugar a água para dentro do ânus e expulsá-la com uma força surpreendente. Dizia-se que “ele podia lavar suas paredes com apenas um balde e um agachamento”. Quando adulto, Pujol era conhecido por criar jatos de mais de 5 metros.

Ele também descobriu que, variando a força com que expelia o ar analmente, ele podia produzir diferentes notas musicais e, enquanto trabalhava como padeiro, ele entretia os clientes imitando instrumentos musicais, alegando estar tocando-os atrás do balcão.

Vestido elegantemente de capa vermelha, calça preta e lenço gravata branca, com um par de luvas brancas casualmente seguradas nas mãos, Pujol se apresentou pela primeira vez em Marselha, na França, em 1887 e seu show foi um sucesso imediato. Ele rapidamente se tornou famoso e viajou para Paris, onde continuou a se apresentar no cabaré Moulin Rouge.

A platéia ficou impressionada, mas não havia dúvidas de que ele seria um grande nome na capital francesa. As pessoas adoravam sua apresentação e entre sua platéia estavam nomes famosos como Edward, Príncipe de Gales, rei Leopoldo II dos Belgas e Sigmund Freud.

Joseph Pujol - O peidador profissional que entretinha até a realeza
 
As pessoas adoravam os shows de Joseph Pujol. Crédito: Domínio Público

Os destaques de seu programa incluíram os efeitos sonoros de tiros de canhões e trovoadas, além de tocar “O Sole Mio” e “La Marseillaise” em uma ocarina através de um tubo de borracha em seu ânus. Ele também podia soprar uma vela a vários metros de distância. Os membros de sua audiência, que incluíam a realeza, eram conhecidos por rir tanto que alguns deles desmaiavam.

Quando pessoas de outros países descobriram seus shows, eles queriam vê-lo e Pujol embarcou em turnês de sucesso pela Europa e norte da África. Onde quer que ele fosse, as pessoas simplesmente riam, e seu entretenimento era muito apreciado.

Então, a Primeira Guerra Mundial estourou e Pujol deixou o palco para sempre. Ele voltou para sua cidade natal, Marselha, e continuou trabalhando em sua padaria. Mais tarde, ele se mudou com sua esposa para Toulon, onde fundou uma próspera fábrica de biscoitos.

Joseph Pujol morreu em 1945, logo após o desembarque dos aliados. Ele foi enterrado no cemitério de La Valette-du-Var, onde seu túmulo ainda pode ser visto hoje.

(Fonte)


Quando você acha que já viu de tudo, vem mais essa!😆

Deixe sua opinião na área de comentários mais abaixo e não esqueça e visitar nossa página principal clicando aqui. Muitas outras coisas interessantes – e muitas vezes estranhas e absurdas – estão ocorrendo neste planeta…


Compartilhe a notícia com o planeta!

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta